Gráfico de evolução anual do preço da soja em valores nominais em são paulo

Preço da soja: comportamento ano a ano no Brasil

Em algumas semanas atrás apresentamos o comportamento dos preços do milho ano a ano e um pouco das consequências dos atuais patamares de preços do grão no mercado pecuário. No Farmnews de hoje vamos falar do preço da soja nos últimos anos.

No ano de 2016 o preço da soja seguem acima dos patamares de valores praticados no mesmo período dos anos anteriores (veja o gráfico abaixo). O preço da soja atual (até agora, em abril) é o mais alto da série, para o período do ano, ultrapassando a casa dos R$76,0/saca, em média, segundo indicador CEPEA/ESALQ.

 

Gráfico de evolução mensal do preço da soja em valores nominais em são paulo

Fonte: Dados adaptados do CEPEA/ESALQ

 

A partir dos valores do grão apresentados acima, destaca-se o comportamento de preço da soja em 2012 e 2015, quando houve uma forte oscilação ao longo dos meses desses anos. Em 2012 a soja iniciou o ano cotada abaixo de R$50,0/saca, mas alcançou quase R$90,0/saca no começo do segundo semestre daquele mesmo ano. O ano de 2015 foi também de volatilidade, com o preço saindo dos R$60,0/saca naquele ano para encerrar o ano próximo a R$80,0/saca.

O segundo gráfico abaixo ilustra o comportamento dos preços da soja mês a mês a partir de uma série histórica mais longa, de 10 anos.

 

Gráfico de evolução anual do preço da soja em valores nominais em são paulo

Fonte: Dados adaptados do CEPEA/ESALQ

 

Como observado pelos dados acima, o preço da soja sofreu forte alta a partir de 2012, impulsionado pelos baixos estoques do grão no país e por uma demanda internacional aquecida. Desde que o grão rompeu a barreira dos R$60,0/saca em 2012, os patamares de preço da soja tem oscilado acima deste valor. A exemplo do milho, o efeito do cambio torna mais atrativa a procura pela soja brasileira para exportação e, consequentemente, pressionando o preço da soja para cima.

A importância da soja pode ser ressaltada pelos números impressionantes desta cultura. Nos últimos 50 anos a produção mundial de soja multiplicou-se por dez e chegou a 269 milhões de toneladas. Essa produção é motivada por uma demanda crescente, especialmente do mercado chinês.

A China nos últimos 10 anos dobrou o consumo participa de praticamente 70% do volume exportado do Brasil, contribuindo e muito para a firmeza do preço da soja no mercado interno.

O mercado da China, como se vê, é fundamental para a manutenção do preço da soja no mercado interno e, claro, além da China, devemos avaliar a produção dos nossos principais concorrentes, como os Estados Unidos, o câmbio entre outros fatores de produção que podem influenciar a oferta e o consumo da soja.

Como fizemos para o milho, iremos apresentar na próxima semana o comportamento da demanda internacional pela soja brasileira nos últimos anos, destacando o ritmo do volume de embarques. Confira!

Para mostrar melhor o comportamento de preços médio da soja ao longo dos últimos anos, apresentamos a Tabela abaixo.

Tabela de preço da soja nos últimos cinco anos:

Ano R$ por saca Alta anual Alta acumulada
2010 R$ 42,2
2011 R$ 49,0 16% 16%
2012 R$ 69,1 41% 64%
2013 R$ 69,0 0% 63%
2014 R$ 67,2 -3% 59%
2015 R$ 72,6 8% 72%
2016 * R$ 78,2 8% 85%
* preço médios da soja apurados até abr-16
Dados adaptados do CEPEA/ESALQ

 

Após a alta observada em 2012 a soja apresentou relativa estabilidade de preços em termos médios, com pouca variação entre os anos de 2013 a 2015. Embora os dados sejam parciais e muito ainda temos pela frente em 2016, os preços atuais são os mais elevados dos últimos anos em valores nominais.

Esse é o objetivo do Farmnews, te manter informado! Pecuaristas, profissionais do setor, estudantes e interessados no assunto, sigam nossas notícias . Acesse também a Farmlogics, cadastre-se pelo site e confira!

Preço da soja: comportamento ano a ano no Brasil was last modified: by

Analista de operações de commodities na Control Union. Graduado em Medicina Veterinária pela USP/FZEA Construindo uma sólida carreira em agribusiness – experiência com confinamentos, mercados futuros, inteligência de mercado e operações financeiras com commodities.