rentabilidade da cria

Acelerar recria de fêmeas melhora a rentabilidade da cria

Acelerar a recria de fêmeas de reposição do rebanho melhora a rentabilidade da atividade de cria.

O fato é que a retenção de bezerras produzidas na propriedade de cria, para a reposição de matrizes descartadas, é inerente à atividade nacional.

E, quando realizada de maneira sistemática e orientada, leva ao melhoramento do rebanho mediante a exclusão de fêmeas de genética inferior em favor daquelas de maior mérito e melhores indicadores zootécnicos.

Porém, a fase de desenvolvimento dos animais torna-se um gargalo ao sistema produtivo, uma vez que a categoria passa um período sem gerar renda.

No intuito de mensurar tal déficit produtivo, a CNA em parceria com o Cepea tomou por base os dados obtidos nas propriedades modais de Juína (MT) e de Barra do Garças (MT). Neste sentido, foram mensurados os custos médios e as receitas de uma fêmea no rebanho, desde seu nascimento até seu descarte ao final de sua vida produtiva.

E uma dúvida comum entre os criadores é: qual o período de retorno do investimento em uma vaca, ou seja, quando a matriz paga o investimento e retorna em lucro para o pecuarista? Clique aqui e saiba como avaliar!

Os valores obtidos consideraram as receitas e o Custo Operacional Total (COT) dos sistemas para o período de julho de 2019. Avaliando-se os dados, é notável que a “dívida” contraída durante o crescimento das fêmeas de reposição é proporcional a seu período de recria até o momento de desmame do primeiro bezerro ou bezerra.

Isso quer dizer que, quanto mais tempo o animal permanece improdutivo no sistema, maior é o custo gerado pela ineficiência reprodutiva.

Desse modo, a rentabilidade da cria está diretamente relacionada ao período improdutivo das fêmeas de reposição do rebanho de matrizes.

Assim, enquanto no painel de Barra do Garças a fêmea acumulou custo de R$1.320,81/cabeça até desmamar o primeiro bezerro com 50 meses, as matrizes do painel de Juína, com primeiro desmame aos 38 meses de idade, tiveram custo de R$939,49.

Consequentemente, as matrizes da propriedade de Barra do Garças pagam os custos de retenção, em média, em sua terceira desmama, ao passo que as matrizes em Juína são capazes de arcar com seus custos de recria a partir de sua primeira desmama.

E por falar na rentabilidade da cria, clique aqui e saiba mais do assunto!

É válido ressaltar que a receita obtida após cada desmama oscila conforme o sexo dos animais. Para a análise, considerou-se a receita média entre o valor de um bezerro e da venda da bezerra, descontando-se a porcentagem de fêmeas retidas para reposição. Ao final da vida útil de cada matriz os animais são descartados para frigoríficos, gerando a última entrada de caixa. Assim, a margem líquida final das matrizes foi de R$2.832,32/cabeça para Barra do Garças e de R$4.070,56 para Juína.

Desta forma, a eficiência individual dos animais no rebanho permite que os animais se tornem produtivos de maneira mais rápida, aumentando o rendimento do sistema de produção como um todo. Para tal objetivo, investimentos durante a fase de recria das matrizes e o constante melhoramento dos indicadores reprodutivos se faz necessário.

Clique aqui e confira alguns dados de produtividade da pecuária de corte brasileira entre os anos de 2014 a 2019!

Vale destacar que a busca de assistência técnica qualificada é a melhor forma de orientar os produtores sobre qual caminho deve ser seguido em cada caso específico.

Adaptado do Cepea

Siga o Farmnews, o canal de notícias do agronegócio!

Acelerar recria de fêmeas melhora a rentabilidade da cria was last modified: by

Zootecnista, editor do Farmnews e interessado em fornecer informações úteis aos nossos leitores!