rentabilidade-3

Análise do retorno econômico da pecuária de corte no Brasil

O Cepea, em parceria com a CNA e o Projeto Campo Futuro, apresenta dados do retorno econômico da pecuária de corte em junho de 2019.

Com o avanço da fronteira agrícola nos últimos anos, as regiões do País que são tipicamente de pecuária têm apresentado a introdução de culturas anuais, como a soja, elevando a competição pelo uso da terra.

Nesse contexto, os sistemas de produção que apresentam maior atratividade econômica aos produtores tendem a prosperar, enquanto os menos rentáveis terão sua presença reduzida gradativamente.

A capacidade de avaliar o retorno econômico da pecuária de corte é premissa básica para uma boa gestão, sendo a análise da taxa de remuneração do capital investido (TRC) uma das ferramentas disponíveis. Esta análise compara o retorno da atividade com o de outros sistemas de produção e taxas de juros, sendo assim, quanto maior a remuneração sobre o capital investido, maior a atratividade do sistema.

Para exemplificar a análise, a CNA, em parceria com o Cepea utilizou os dados da região de Alta Floresta (MT), levantados pelo Projeto Campo Futuro, considerando propriedades de cria e de recria e engorda.

Para o cálculo da TRC, a margem líquida da atividade (diferença entre a receita bruta anual e Custo Operacional Total), é dividida pelo capital investido na propriedade, composto pelos valores das benfeitorias, máquinas, implementos, utilitários, rebanho e terra.

Em Alta Floresta, as margens líquidas em junho de 2019 foram de R$221,40 e R$291,87 por hectare de área produtiva para cria e recria e engorda, respectivamente. Para o período analisado, os respectivos capitais investidos são de R$25.339,76 e R$32.401,67/ha. O capital imobilizado destas propriedades típicas pode ser observado na Tabela a seguir.

A Tabela a seguir apresenta dados de capital investido e taxa de remuneração do capital das propriedades modelos de Cria e Recria e Engorda de Alta Floresta/MT (valores referentes a junho/19), segundo dados do Projeto Campo Futuro/CNA.

retorno econômico da pecuária

Como resultado, as propriedades típicas de Alta Floresta atingem TRC de 0,87% e 0,90%, respectivamente, ficando abaixo de taxas fixas do mercados de investimento, como a Selic 2018, taxa básica de juros da economia nacional, 6,4%, poupança 4,62%; e CDI que acumulou 6,42% no período.

O fato é que o retorno econômico da pecuária de corte, segundo dados do estudo de junho de 2019, mostrou a pouca atratividade no segmento, inclusive perdendo de investimentos de taxas fixas, como poupança, selic etc.

Dados do Projeto Campo Futuro de Sinop, região próxima a Alta Floresta, apontam que os sistemas de soja e milho safrinha apresentaram margem de R$666,05/ ha, com taxa de remuneração de 2,83%. Essas diferenças indicam que existem outros investimentos mais rentáveis que os sistemas de produção avaliados.

Porém, as propriedades amostradas não demonstram o potencial produtivo para atividade pecuária. Através da tecnificação da atividade e incremento de produtividade (Tabela abaixo), os sistemas podem se tornar tão competitivos quanto as demais culturas e remunerarem acima das taxas fixas apresentadas.

A Tabela abaixo apresenta dados de índices zootécnicos das propriedades de Cria e de Recria e Engorda em Alta Floresta/MT, segundo dados do Projeto Campo Futuro/CNA de 2018.

retorno econômico da pecuária

Dessa forma, avaliar a fundo os gargalos do sistema produtivo pecuário, visando otimizar os processos inerentes à atividade, deve ser prioridade para os gestores das fazendas. Para este fim, treinamentos e assessoria técnica qualificada devem sempre ser procurados, para definir o curso de ações mais adequado à cada caso.

E por falar no retorno econômico da pecuária de corte, compare como evoluiu o preço do boi gordo em relação a demais alternativas de investimento do mercado. Afinal, investir em boi gordo foi um bom negócio no 1º semestre de 2018? Clique aqui e confira!

Adaptado do Cepea

Siga o Farmnews, o canal de notícias do agronegócio!

Análise do retorno econômico da pecuária de corte no Brasil was last modified: by

Zootecnista, editor do Farmnews e interessado em fornecer informações úteis aos nossos leitores!