segurança jurídica ao agronegócio

Código Florestal e a segurança jurídica ao agronegócio

Decisão a favor do Código Florestal trás segurança jurídica ao agronegócio!

Os receios quanto a possível decisão que poderia prejudicar milhões de pequenos produtores rurais no Brasil ficaram para trás!

Em uma importante decisão que trouxe segurança jurídica ao agronegócio brasileiro, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu a favor do novo Código Florestal.

A maioria dos 22 dispositivos em julgamento foi considerada constitucional pela Corte no dia 28 de fevereiro de 2018.

Clique aqui e saiba mais sobre o caso do Código Florestal e a questão da segurança jurídica ao agronegócio. 

A decisão finalizou o julgamento de cinco ações, ajuizadas pelo Ministério Público Federal (MPF) e o PSOL, que questionavam a legalidade do Código Florestal, aprovado pelo Congresso Nacional em 2012.

A decisão do STF manteve pontos considerados essenciais para garantir os avanços ambientais que vêm acontecendo no País desde a implantação do Código, sendo mantida a data de 22 de julho de 2008 para o chamado “marco temporal” e, por conseguinte, foram respeitados os acordos firmados a partir do CAR (Cadastro Ambiental Rural).

Além disso, foi mantido também o PRA (Programa de Regularização Ambiental), incluindo aí a não cobrança de multas em relação ao passivo ambiental.

Na avaliação da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA), o mais importante, do ponto de vista social, foi a manutenção pela constitucionalidade do artigo 67, que tratava da exigência de se reconstituir as reservas legais também para os pequenos produtores.

Para o presidente da CNA, João Martins, o STF demonstrou bom senso ao decidir pela ampla constitucionalidade do Código Florestal, pois uma decisão contrária poderia inviabilizar a permanência de mais de quatro milhões de produtores na atividade.

“Boa parte da produção de alimentos vem dos pequenos produtores, que seriam os maiores prejudicados com qualquer mudança na lei. Hoje, com certeza, aqueles que mais necessitam desse amparo do Código Florestal vão dormir tranquilos”, afirmou João Martins.

Em relação aos pontos considerados inconstitucionais, a CNA deverá apresentar embargos declaratórios para questionar e esclarecer a aplicação da legislação.

De acordo com a entidade, existem pequenos conflitos entre o entendimento do STF e o que está previsto no Código Florestal, sendo normal a apresentação de embargos declaratórios nesse tipo de processo.

Aliás, clique aqui e saiba mais sobre o Cadastro Ambiental Rural (CAR). Vale lembrar que Embrapa, a partir de dados do Cadastro Ambiental Rural (CAR) destaca a importância da agricultura na preservação ambiental. Clique aqui!

Adaptado de SNA

Siga o Farmnews, o canal de notícias do agronegócio!

Código Florestal e a segurança jurídica ao agronegócio was last modified: by

Zootecnista, editor do Farmnews e interessado em fornecer informações úteis aos nossos leitores!