De acordo com pesquisa da Embrapa, a sombra não aumenta o risco de verminose na bovinocultura de corte.

A incidência de verminose em gado de corte em sistema silvipastoril (pecuária-floresta) não é maior do que na pecuária exclusiva.

A conclusão é de uma pesquisa que acaba de ser encerrada na Embrapa, em Sinop (MT). A informação contraria a hipótese inicial de que as condições do sistema silvipastoril poderiam aumentar o risco de verminose.

Esse resultado mostra que, nos sistemas de pecuária integrada com árvores, o controle de verminoses não precisa ser diferente em relação à pecuária tradicional. O número de dosagens de vermífugos deve ser o mesmo em ambos os sistemas de produção.

A pesquisa avaliou durante 2 anos a quantidade de ovos de helmintos por grama de fezes em animais da raça Nelore, com peso inicial de 250 kg. Também foram monitoradas a quantidade e a diversidade de espécies de insetos coleópteros nos sistemas, como os besouros rola-bosta. Esses animais atuam na decomposição do bolo fecal.

Como os vermes utilizam as fezes frescas na fase de vida livre, a atuação dos coleópteros e o tempo necessário à degradação do bolo fecal estão diretamente relacionados à incidência de verminoses no rebanho, proporcionando um controle natural.

De acordo com o pesquisador Luciano Lopes, quando comparados os 2 sistemas, não houve diferença nem na quantidade de ovos de helmintos presentes nas fezes, nem na quantidade e diversidade de coleópteros e nem mesmo no tempo de decomposição do bolo fecal. A comparação entre o rendimento do gado em ganho de peso também não indicou qualquer variação causada pelas verminoses.

Considerado positivo para o sistema ILPF, o resultado contraria a hipótese inicial de que o sombreamento aumentaria a incidência de verminoses. Tal suposição veio de outro resultado de pesquisa desenvolvida na Embrapa, em que numa área de ILPF com pecuária leiteira, verificou-se que a sombra contribuiu para maior contaminação das pastagens por larvas de parasitas.

“Como tenho uma condição microclimática melhor no silvipastoril, ela é boa para o animal, porém é também favorável para a fase de vida livre desse parasita. Com a área sombreada, é possível aumentar a contaminação das pastagens”, ressalta o pesquisador.

Porém, mesmo com o aumento do risco de contaminação na sombra, os resultados na pesquisa com a pecuária de corte não apontaram diferença.

“Apesar de a contaminação poder ser maior, o animal não parece ser afetado pelo problema. Isso pode ser explicado pela resposta imunológica. O que nos leva a acreditar que o animal nessas condições microclimáticas é capaz de reagir melhor do ponto de vista de resposta imune do que o animal a pleno sol, sem nenhum tipo de sombreamento. A avaliação do sistema imunológico e dos indicadores do sistema imune será a última etapa do processo, para fechar o ciclo,” explica Lopes apontando os próximos passos da pesquisa.

De acordo com o cientista da Embrapa, o resultado obtido com gado nelore poderia ser diferente caso fosse feito com raças leiteiras, uma vez que os animais de leite são mais sensíveis aos parasitas que os de corte.

E você já imaginou um mundo sem alimento de origem animal? Os pesquisadores do USDA imaginaram e apresentaram suas perspectivas para um mundo sem alimento de origem animal. Clique aqui e surpreenda-se!

Adaptado da Embrapa

O Farmnews é o canal de notícias da Farmlogics!

ILPF aumenta risco de verminose na pecuária de corte? was last modified: by