Mercado

Preço futuro do milho em janeiro de 2023 no menor valor em mais de 2 meses

O preço futuro do milho acentua a queda na segunda metade de janeiro de 2023 e se aproxima de perder R$90,0 por saca, o que não foi visto desde novembro de 2022.

Pois é, o contrato para vencimento em março de 2023 (CCMH23) passou a ser cotado abaixo de R$90,0 por saca ao longo do pregão de 23 de janeiro, embora tenha encerrado o dia a R$90,1 por saca. Esse foi o menor valor desde o dia 15 de novembro, quando a saca foi cotada abaixo de R$90,0 por saca.

No mercado físico (Cepea) o preço do milho segue acumulando queda na parcial de 2023, até o dia 23. O preço do milho iniciou o ano a R$86,1 por saca e no dia 23 de janeiro o valor acumulou perda de 0,7%, cotado a R$85,4 por saca. O valor médio parcial de janeiro de 2023, de R$86,5 por saca foi 9,8% menor que a média nominal de janeiro de 2022 (R$96,0).

Vale lembrar que ao final da primeira quinzena de janeiro o Farmnews havia apresentado dados do preço projetado do milho para março de 2023, destacando que os valores esperados estavam se distanciando das máximas para o vencimento. Clique aqui e saiba mais!

A Figura a seguir ilustra a evolução diária do preço esperado do milho para março de 2023 (CCMH23), segundo dados da B3, em Reais por saca (60kg).

preço futuro do milho
Fonte: Dados da B3 (adaptado por Farmnews)

O preço futuro do milho para março de 2023, de R$90,1 por saca observado no dia 23 de janeiro, caso confirmado, representa uma queda de 9,6% frente a média nominal (Cepea) de março de 2022 (R$99,7).

E ao contrário do mercado futuro do milho, o preço futuro do boi gordo segue em recuperação e alcançou o maior valor desde o início de dezembro na parcial de janeiro de 2023. Clique aqui e confira!

Participe do nosso Grupo no WhatsApp Participe do nosso Grupo no WhatsApp

Clique aqui e receba os estudos do Farmnews pelo WhatsApp!

Ivan Formigoni

Zootecnista, Fundador do Farmnews e interessado em fornecer informações úteis aos nossos leitores!

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo