carne fraca

O que aprendemos com a Operação Carne Fraca?

Os efeitos da Operação Carne Fraca e o que aprendemos com tudo isso?

Veja artigo e opinião de Daniel Cabral!

O que aprendemos com a Operação Carne Fraca?

Não vou citar números, valores e nem listas de envolvidos ou de países que embargaram as importações de carne brasileira. Farei somente uma reflexão não técnica, sem generalismo ou interesse.

A carne brasileira (bovina, suína e de aves) é confiável, tem qualidade e atende aos padrões dos mais exigentes mercados internacionais. Lembrando e reforçando que a carne bovina in natura não foi citada e nem estava envolvida, mas pagou o pato.

O problema é a corrupção e o desvio de conduta dos responsáveis pela fiscalização, a ganancia e falta de ética dos donos das empresas envolvidas. Não houve comprovação técnica/científica de problemas relacionados a sanidade e qualidade dos produtos que comprometesse seu consumo, o que se comprovou foi corrupção para acelerar processos burocrático relacionados a fiscalização do SIF.

Que a participação dos especialistas da PF em análise de fraudes alimentares não foi devidamente empregada durante as investigações da Carne Fraca e que a atuação adequada dos peritos criminais federais, em todas as etapas do processo, teria garantido a correta interpretação dos dados apurados e a definição dos procedimentos científicos necessários à materialização de eventuais crimes de fraude alimentar.

Que PF conta com 27 peritos criminais com formação em Medicina Veterinária, além de dezenas de outros especialistas em química, farmácia, agronomia e biologia, e esse contingente não foi plenamente utilizado pela operação.

Que existe um Regulamento da Inspeção Industrial e Sanitária de Produtos de Origem Animal (Riispoa) e suas regras são frágeis e arcaicas, de 1950. Agora o governo está reformulado esse regulamento que prevê normas de inspeção industrial e sanitária de recebimento, manipulação, transformação, elaboração e preparo de produtos, condizentes com nossa realidade atual.

Ainda sofremos muita influência política nas decisões e nomeações aos cargos de fiscais, ou seja, isso ainda é um grande balcão de negócios para partidos obterem apoio e votos. Dos 27 superintendestes, 17 foram indicados por meio de políticos, e os que eram servidores de carreira, também se articulam politicamente para ascenderem. Na verdade, precisamos de mudanças comportamentais e não somente de normas e regras.

O facebook, o WhatsApp e outras redes sociais, usadas para o mal, são os melhores e mais eficientes meios de se propagar falsas e tendenciosas notícias. Nós ainda não temos o habito de buscar segundas opiniões, fontes oficias e seguras, lemos somente os títulos das matérias e compartilhamos, assim com recebemos vídeos e áudios no WhatsApp e imediatamente compartilhamos com todos os grupos, reforçando as inverdades, sem a preocupação de ser confiável/verdade ou não.

O agronegócio ainda não se comunica de forma correta com o consumidor, ainda falta uma melhor conectividade com a população dos grandes centros urbanos, ou seja, levar a esses consumidores uma informação mais detalhada de como funciona a cadeia produtiva, pois esse público não tem noção da integração dos elos envolvidos em toda cadeia, e que se um desses elos quebrar (principalmente os grandes players), o efeito será sentido em toda cadeia, principalmente no elo mais fraco. Precisamos informar as crianças como são produzidos os alimentos de origem animai (aves, suínos e bovinos). As crianças sabem o que é um ovo, mas não sabem como eles chegam até as caixas no supermercado, e acabam se tornando jovens e adultos sem conhecimento do processo produtivo do seu próprio alimento.

8º A tendência pela busca (tanto do consumidor como do processador) por uma carne de melhor qualidade, padronizada, foi reforçada após a Operação Carne Fraca.

Iremos evoluir ainda mais no que tange a qualidade da carne, diminuindo a base da pirâmide (Commodity) e aumentando o meio (marcas de carne) principalmente de empresas que possuem marcas próprias, muito além dos grandes frigoríficos. O consumidor reagirá negativamente as marcas envolvidas e buscara outras opções, caindo num universo de excelentes produtos, porém pouco conhecido ainda e disponíveis por exemplo em açougues com marcas próprias.

 

carne fraca

 

 

Daniel Cabral Barbosa é Administrador e Especialista em Agronegócio. Contato: cabral.pantanal@gmail.com

O Farmnews é o canal de notícias da Farmlogics – www.farmlogics.com.br. Cadastre-se e confira nosso plano grátis de gestão de fazenda!

O que aprendemos com a Operação Carne Fraca? was last modified: by

Zootecnista, editor do Farmnews e interessado em fornecer informações úteis aos nossos leitores!