Mercado

Preço futuro do milho inicia abril sem ágio para setembro

O preço futuro do milho para setembro de 2024 se mantém próximo do físico no início de abril.

O preço esperado do milho para setembro de 2024 foi cotado a R$60,8 por saca em abril (3), perto da referência no mercado físico, de R$61,5 por saca. Isso mostra que o mercado futuro projeta preços estáveis do grão ao longo dos próximos meses.

Na parcial de 2024, até abril (3), o contrato para setembro segue com perda, de 15,7% em relação ao último valor praticado em 2023 (R$72,2). No mercado físico, o preço do milho (Cepea) encerrou 2023 cotado a R$69,2 por saca e na parcial de abril (3), o valor ficou em R$61,5 por saca, queda de 11,2% no período. No entanto, o preço médio do grão ficou mais estável em março (R$62,7) frente ao valor praticado em fevereiro (R$62,6).

Vale lembrar que o Farmnews atualiza, diariamente, os dados dos preços do mercado futuro do boi gordo (clique aqui), milho (clique aqui) e soja (clique aqui)!

A Figura abaixo compara o preço do milho (Cepea) e do contrato futuro para vencimento em setembro de 2024 (CCMU24), em Reais por saca.

preço futuro do milho
Fonte: Dados da B3 e Cepea (elaborado por Farmnews)

O mercado futuro do milho para setembro de 2024 projeta estabilidade frente ao valor praticado no mercado físico em abril (3), cotado a R$60,8 por saca.

Pois é, a curva de preço do mercado futuro do milho projetava valorização da saca frente ao valor praticado no mercado físico entre fevereiro e dezembro de 2023 (Figura), cenário que passou a mudar em 2024.

Participe do nosso Grupo no WhatsApp Participe do nosso Grupo no WhatsApp

E por falar na comparação do preço do mercado físico e futuro do milho, o Farmnews também apresenta esses dados, diariamente, para os contratos com maior liquidez. Clique aqui e confira!

Clique aqui e receba os estudos do Farmnews pelo WhatsApp!

Ivan Formigoni

Zootecnista, Fundador do Farmnews e interessado em fornecer informações úteis aos nossos leitores!

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo